B 17
ALTERNATIVAGERAL

LOUVOR AO CRIADOR DO UNIVERSO

LOUVOR AO CRIADOR DO UNIVERSO

             Meditação matinal:
O Mito da Caverna, também conhecido como “Alegoria da Caverna” é uma passagem do livro “A República” do filósofo grego Platão. É mais uma alegoria do que propriamente um mito. É considerada uma das mais importantes alegorias da história da Filosofia. Nesta alegoria o famoso filósofo apresenta uma caverna escura como uma prisão onde o indivíduo se sente seguro e confortável, mas ao enxergar a luz externa, sair e experimentar a liberdade, chama outros que ainda permanecem na caverna a, também, experimentar a luz e a liberdade. Hoje, sabemos que não é fácil abandonar as "cavernas" que aprisiona, pois muitos já se adaptaram às suas condições precárias: escuridão, umidade, insalubridade... Você pode se perguntar: "como alguém consegue viver numa condição semelhante a essa?" ao ver alguém morando e vivendo no meio do lixo; das drogas; da prostituição... como verdadeiras cavernas-prisões sombrias. Eles tem medo da luz e da liberdade. Se acostumaram a migalhas e a privação. Não se sentem capazes de viver uma nova vida. Há escravidão de toda sorte: no trabalho, quando o indivíduo acredita que nunca achará coisa melhor e se submete aos maus-tratos e aos assédios, mas o medo de ficar sem um salário o impede de se libertar. Da mesma forma ocorre aos milhares de religiosos estão preso às religiões nominais e seus líderes, se submetendo às suas ordens e comandos. Não tem coragem de ler e interpretar sozinhos a Palavra de Deus, mas são inteiramente dependente de tradutor, intérprete, orientador e passam a admirar homens e se perpetuam escravos e na caverna de trevas. Cristo veio nos dá liberdade pela Palavra da luz: "E conhecereis a verdade e a verdade vos LIBERTARÁ." (João 8:32). O apóstolo Paulo escreve para aqueles que no passado eram trevas (viviam nas trevas da escravidão da religiosidade judaica e da libertinagem dos gentios), motivando a continuarem andando na luz da liberdade e não voltassem mais às trevas de onde haviam saído. Paulo sabia que não é fácil se desprender daquilo que a carne elegeu como prazer; bem-estar; amizades; costumes; hábitos... Mesmo enxergando a luz, muitos eram tentados à voltar para a caverna. É necessário que aqueles que experimentaram na luz, permaneçam na luz, pois é necessário sermos transformados pela luz - "de glória em glória" (2 Cor. 3:18), "como a uma luz que alumia em lugar escuro, até que o dia amanheça, e a estrela da alva apareça em vossos corações." (2 Pedro 1:19). Deus seja louvado! Amém.